1 de abr de 2012

Resenha: Dragões de Éter - Caçadores de Bruxas

   Quando falamos de literatura brasileira a maioria das pessoas (inclusive eu mesmo), fica meio receoso, pensando que se o livro é nacional, não presta. Já ouvi várias vezes a frase "Nada no Brasil presta, por que um livro iria fazer a diferença?" ou essa "Prefiro coisas que eu sei que vão ser boas, e coisas boas não vem do Brasil". Bem, eu não li muitos livros nacionais, mas tinha um pensamento um pouco negativo quanto a livros brasileiros até ler Dragões de Éter. 
   No começo eu vi a capa e achei muito legal (posso falar f*da produção?), até então não sabia que era nacional, e atormentei minha mãe até ela comprar a trilogia pra mim. Depois de ter encomendado no site do veículo que se transporta pelo fundo do mar, eu fui ver que era nacional, fiquei meio decepcionado, mas fui dar uma chance para nosso querido Raphael Draccon, e o que aconteceu? Esse cara mudou totalmente a minha percepção de ver o Brasil, não, não vou começar a ler todos os livros brasileiros e gritar viva ao meu país, mas agora eu vi (com os meus próprios olhos) que o Brasil pode SIM ter livros bons e pode SIM ter bons autores de ficção!
   Agora vamos lá né, senão vou escrever um livro, literalmente.. (puts que piada sem graça)



Título original: Dragões de Éter - Caçadores de Bruxas.
Autor: Raphael Draccon
Editora: LeYa
Número de páginas: 440
Sinópse: Com diversas referências contemporâneas, que vão de séries como Final Fantasy a contos de fadas sombrios, passando por bandas de rock como Limp Bizkit e Nirvana, o autor constrói, com extrema habilidade, uma narrativa em que romances, guerras, intrigas, fantasias e sonhos juvenis se entrelaçam para construir o final poético desse fantástico quebra-cabeça. Essa obra, que é a estréia do roteirista Raphael Draccon na literatura, combina fantasia, história antiga e aventura na medida certa, de uma maneira revolucionária em relação aos demais livros do gênero.







   Pov: Nesse livro, Raphael re-escreve os mais famosos contos de fadas (chapeuzinho-vermelho, jõao e maria) só que de um jeito mais sombrio e adulto, e tem uma hora, em que essas histórias se cruzam e viram tudo uma coisa só. 
   Algum de vocês sabia que o nome da chapeuzinho-vermelho é Ariane Narin? Pois então, imagine-se como uma garotinha de 7 anos, vendo sua avó ser, degustada, por um lobo enfeitiçado na sua frente. Ser salva por um lenhador que ouvia os seus gritos e ganhar um apelido estúpido, pois se sujou de sangue no meio da carnificina.
  O livro se passa na cidade de Andreanne, no reino de Arzallum, onde moram os personagens principais da história, Ariane Narin, Jõao e Maria Hanson, O Grande Rei Primo Branford e seus filhos Axel e Anísio Terra Branford. Quando Andreanne é atacada por Jamil Coração de Crocodilo, filho do temido capitão Gancho, começa-se uma guerra, pois o que ninguém sabe é o que esse pirata maldito quer. A partir de símbolos e escritas com um idioma só conhecido por bruxas, Maria Hanson e seu professor Sabino Von Fígaro começam uma investigação que levará até o grande segredo que está acontecendo, literalmente, debaixo dos olhos de todos.
  E pra piorar, Ariane (a chapeuzinho-vermelho, sabe?) é uma bruxa, NÃO, ELA NÃO É DO MAL CALMA!!! Deixa eu explicar, Nova Ether é um mundo em que só existe um Deus Criador, e à partir dessa entidade, existem os semideuses, que são representações do grande criador que vem a terra e ajudam a manter a ordem do bagulho. (risos)
  E ainda existem as fadas, que são como os semideuses, mas elas são vistas pelos humanos, e ajudaram O Criador na criação de Nova Ehter. O problema é que algumas fadas, sentiram-se humilhadas por verem os seres humanos, que elas ajudaram a criar, devastando, fazendo guerras, e matando uns aos outros, e começaram a ter ódio no coração, e a fazer magia negra. A primeira "caída" foi Bruja, (sim, bruja, bruxa, descobrimos a origem do nome) que é um ser tão maldito, que mesmo morta, consegue voltar para o mundo normal, por representações (tipo o Criador vem como semideuses). E em cima disso, a história vai rolando.
  
   Conclusão: O livro é ótimo, surpreendente e todos deveriam ler. Espero ter te encorajado, se você estivesse com dúvidas sobre o trabalho de Raphael!

                          Até a próxima pessoal!

6 comentários:

  1. OMG, vou ler esse livro pra ontem.

    ResponderExcluir
  2. Nossa eu estou LOUCA para ler esse livro. *-*

    ResponderExcluir
  3. Nossa, adorei essa resenha, eu já li vários livros brasileiros e a maioria eu adorei e já passei por essa de as pessoas falarem que tudo o que vem do Brasil não presta, como elas vão saber se nem ao menos experimentam ler?
    Fiquei chocada com essa da chapeuzinho, nem tinha ideai do nome dela (@.@) e agora estou doida para ler este livro mais do que antes! Chapeuzinho uma BRUXA! Eu necessito deste livro! Você acabou de me tirar ótimas duvidas sobre a qualidade de Dragões de Éter! Bye!

    ResponderExcluir
  4. Tenho que admitir que, por mais que a capa e o fato de ser um livro de ficção escrito por um brasileiro me chamaram a atenção pro livro, mas que fiquei receoso...
    Mas essa resenha realmente atiçou meu interesse pela série! Fato que vou comprar ela quando der[ tenho milhões de livros pra ler nesse meio tempo, então, não chega a ser um problema HAHAH]

    Vim aqui por meio da sua recomendação/pedido no Skoob, e adorei o formato do site e a leveza cheia de conteúdo das suas resenhas! Parabéns pelo blog, e continue com o ótimo trabalho!

    ResponderExcluir
  5. Valeu pessoal, espero que vocês consigam ler logo e vir aqui comentar a opnião de vocês!

    ResponderExcluir
  6. Eu queria ler esse livro a um maior tempão, mas só soube que era escrito por um autor brasileiro a pouco tempo, desde que eu li A batalha do apocalipse eu sempre aprecio livros nacionais. Eu adorei a historias, não sabia que envolvia seres de contos de fada, agora quero ler mais ainda.

    Beijos
    sobremimemeumundo.blogspot.com

    ResponderExcluir